PSD quer venda imóveis Estado para cortar mais dívida, não privatizar CGD

PSD quer venda imóveis Estado para cortar mais dívida, não privatizar CGD

Reuters  | 11.09.2019 17:30

PSD quer venda imóveis Estado para cortar mais dívida, não privatizar CGD

* PSD diz última vez Estado fez inventário imóveis foi 1933-36

* Sociais democratas excluem privatização CGD e restantes 50% TAP

* Portugal tem das dívidas públicas mais altas Europa

Por Sergio Goncalves

LISBOA, 11 Set (Reuters) - O Partido Social Democrata (PSD), se chegar ao poder, lançará um programa de inventário e venda de imóveis do Estado para cortar a dívida pública abaixo da meta social democrata dos 98,6% do PIB em 2023, disse o co-autor do plano económico do PSD, que exclui a privatização da estatal Caixa Geral de Depósitos (CGD).

Actualmente, a dívida pública de Portugal está na casa dos 122% do Produto Interno Bruto (PIB), sendo das mais altas da Europa.

Joaquim Sarmento, co-autor do programa económico do PSD, disse que os 98,6% de meta da dívida pública para 2023 "é o mínimo dos mínimos" que o PSD promete pois, "se conseguir melhorar a gestão financeira e eficiência dos serviços públicos, libertará activos, que podem ser alienados".

"O que temos de fazer é ir ao imobiliário do Estado em três fases: saber o que há, saber o que precisamos e, parte do que não precisarmos, aliená-lo, obviamente em concurso internacional de forma transparente e aberta", disse aos jornalistas.

"Se conseguirmos, então teremos algum encaixe financeiro, que será canalizado para a redução da dívida pública. Se calhar, vamos conseguir reduzir alguns pontos percentuais na dívida pública abaixo dos 98,6%", adiantou.

Os socialistas têm ampliado a liderança nas sondagens para as eleições parlamentares de 6 de outubro, sugerindo que o primeiro-ministro António Costa pode estar a apenas um pequeno passo de alcançar uma maioria absoluta, que desta vez pode ser alcançado com um 'score' bem abaixo dos tradicionais 44% a 45% antes. O PSD tem-se mantido pouco acima dos 20%.

PRIVATIZAR CGD? NÃO

Ao contrário do que os sociais-democratas chegaram a defender no passado, Joaquim Sarmento frisou que o actual programa do PSD para os próximos 4 anos "exclui totalmente a privatização da CGD" - o maior banco português e que é também o activo mais significativo do Estado.

"Nós entendemos que, neste momento, a CGD não deve ser privatizada. Nos próximos anos, não há condições para privatizar a CGD, nem é desejável", disse Joaquim Sarmento.

Adiantou que a CGD não deve ser privatizada porque "está num processo de restruturação, o mercado bancário está em condições terríveis do ponto de vista da rentabilidade".

"Também achamos que não devemos privatizar os 50% da TAP porque entendemos que é preciso repensar o modelo da transportadora e religá-lo à questão do novo aeroporto de Lisboa", afirmou o co-autor do programa económico do PSD.

NINGUÉM SABE

Joaquim Sarmento adiantou que "é caricato que a última vez que o Estado português fez um levantamento dos seus activos físicos - edifícios, terrenos, imóveis - foi em 1933-1936", durante a ditadura do Estado Novo.

"Primeiro, nós precisamos de saber o que é que Estado tem e isso vai demorar algum tempo, depois temos de saber do que é que o Estado precisa para os seus organismos públicos", afirmou Joaquim Sarmento.

Explicou que haverá "imóveis com valor patrimonial histórico que não podem ser vendidos, embora em alguns casos possam ser concessionados, como aconteceu recentemente; os necessários aos organismos públicos também não poderão ser alienados; sobrando um terceiro bloco que de facto o Estado não necessitará.

"Deste terceiro bloco, uma parte destes pode ser alienada e outra parte pode ser usada para habitação, residências universitárias, etc...", disse.

"Mas, consegue-se fazer o levantamento dos imóveis, saber os imóveis que o Estado precisa, vender alguns daqueles que não precisa em 4 anos? Não sei e por isso fomos cautelosos". (Por Sérgio Gonçalves; Editado por Catarina Demony)

Relacionadas

Últimos comentários

Adicione um comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

A realização de transações com instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve altos riscos, incluindo o risco de perda de uma parte ou da totalidade do valor do investimento, e pode não ser adequada para todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos tais como eventos financeiros, regulamentares ou políticos. A realização de transações com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir realizar transações com instrumentos financeiros ou criptomoedas, deve informar-se sobre os riscos e custos associados à realização de transações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente os seus objetivos de investimento, nível de experiência e nível de risco aceitável, e procurar aconselhamento profissional quando este é necessário.
A Fusion Media gostaria de recordar os seus utilizadores de que os dados contidos neste website não são necessariamente fornecidos em tempo real ou exatos. Os dados e preços apresentados neste website não são necessariamente fornecidos por quaisquer mercados ou bolsas de valores, mas podem ser fornecidos por formadores de mercados. Como tal, os preços podem não ser exatos e podem ser diferentes dos preços efetivos em determinados mercados, o que significa que os preços são indicativos e inapropriados para a realização de transações nos mercados. A Fusion Media e qualquer fornecedor dos dados contidos neste website não aceitam a imputação de responsabilidade por quaisquer perdas ou danos resultantes das transações realizadas pelos seus utilizadores, ou pela confiança que os seus utilizadores depositam nas informações contidas neste website.
É proibido usar, armazenar, reproduzir, mostrar, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste website sem a autorização prévia e explicitamente concedida por escrito pela Fusion Media e/ou pelo fornecedor de dados. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados pelos fornecedores e/ou pela bolsa de valores responsável pelo fornecimento dos dados contidos neste website.
A Fusion Media pode ser indemnizada pelos anunciantes publicitários apresentados neste website, com base na interação dos seus utilizadores com os anúncios publicitários ou com os anunciantes publicitários.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Polski Português (Brasil) Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
A guardar as alterações

+